Museu do Louvre 🌟📚📖

Para assistir o vídeo que fiz no Louvre, click aqui!

As origens do Louvre remontam ao ano de 1190, quando aqui foi construída uma massiva fortaleza junto às margens do rio Sena. O castelo do rei Felipe Augusto possuia um ar obviamente bélico, com muralhas e torres. No século 14, o rei Carlos V imprimiu um ar menos espartano ao complexo, agora transformado em residência real. Os ares palacianos surgiriam pela vontade dos soberanos renascentistas Francisco I (que demoliu o antigo castelo e trouxe Leonardo da Vinci para a França — com a Mona Lisa a tiracolo) e Henrique IV (que aqui abrigou artistas que montaram atêlies em seus recintos).Com a mudança da corte para Versalhes, o Louvre ficou em estado lastimável, sendo transformado em museu em 1793, durante a Revolução Francesa. Com a expansão colonialista francesa durante o século 19, uma série de antiguidades do Oriente Médio e Egito foram “importadas” pelos franceses. Jean François Champollion, o homem que decifrou a Pedra de Rosetta, foi o primeiro curador do departamento egípcio.


A última grande intervenção no edifício foi comandada pelo presidente François Mitterand em 1989, que encomendou a polêmica pirâmide, projeto de I.M. Pei. 

Evite filas chegando bem cedo. Isso lhe economizará tempo (e muita paciência) tanto na hora de entrar como na visita em si, com menos aglomerações sobre as peças mais famosas, como a Vênus de Milo e a Mona Lisa. Conheça todos os destaques das amostras primeiro e depois, com mais calma, passe pelas obras menos disputadas. Se já é um veterano, faça uma programação antecipada para evitar o sobe e desce. Outra forma de agilizar a entrada é comprar o ingresso pelo site.

O Louvre possui três entradas: a da pirâmide é de longe a mais congestionada, portanto evite-a. A única exceção é se você possui um Paris Museum Pass, que tem um acesso exclusivo. As entradas da Porte des Lions e da Galerie du Carrousel são mais tranquilas e, por vezes, podem estar surpreendentemente vazias nos meses de inverno e no começo da primavera.

Na alta temporada, de junho a agosto, entre 10h e 15h, as filas podem durar enervantes 2 horas sob o sol de verão.

O acervo do Museu do Louvre possui mais de 380 mil itens e mantém em exibição permanente mais de 35 mil obras de arte, distribuídas em oito departamentos. A seção de pintura é a segunda maior do mundo, logo atrás da do Museu Hermitage, com quase 12 mil peças, sendo que delas 6 mil estão em exposição permanente

O museu é dividido em departamentos:

  • Antiguidade oriental
  • Egito
  • Gregos, etruscos e romanos
  • Arte do Islã
  • Esculturas
  • Objetos de arte
  • Pintura
  • Artes gráficas 

As obras mais visitadas são:

  • Aphrodite, Vênus de Milo: rez de chassée (térreo), ala Sully, sala n° 7, no departamento gregos, etruscos e romanos.

 

  • Egito – la vie quotidiènne e as mùmias: rez de chaussée, ala Sully, (vàrias salas) departamento Egito.

 

  • Os escravos de Michelangelo: rez de chaussée, ala Denon, sala 4, departamento escultura italiana.

 

  • Vitória de Samotrácia: 1° andar, ala Denon, departamento escultura grega, depois do controle da entrada pegar escada da esquerda.

 

  • Mona Lisa – Leonardo da Vinci: 1° andar, ala Denon, sala 6, departamento pinturas italianas.

 

  • La Dentellière – Vermeer: 2° andar, ala Richelieu, sala 38, departamento pintura holandesa.

 

Essas obras são as mais visitadas, porém algumas são tão fantásticas e merecem uma visita especial, como por exemplo a estátua Eros e Psiquê. 

Escultura de Antônio Canova, que mostra Psiquê ressuscitada pelo beijo de Eros, de 1787.


De acordo com a mitologia: Eros é o Deus romano do Amor e do Desejo. Psyche, era uma mulher mortal, extremamente bonita. Esta bela escultura retrata o momento em que Eros, ainda com as asas entreabertas, desce à terra para ressuscitar, com um abraço, a sua amante Psique. 

Vênus de Milo merece toda atenção

A Vênus de Milo é uma estátua de origem grega que representa a deusa do amor sexual e também da beleza física, Afrodite (conhecida pelos romanos como Vênus, nome que se popularizou).

A estátua foi esculpida em mármore e possui 2,03 metros de altura. Construída aproximadamente no ano de 130 a.C, a autoria é atribuída a Alexandros de Antióquia.

A escultura foi encontrada na ilha de Milos em 1820 no mar Egeu, na época, a Vênus estava quebrada ao meio.

A questão dos braços faltantes é igualmente confusa. Sobrevive um desenho anônimo da obra no estábulo de Kentrotas mostrando-a íntegra, Voutier fez outro registro visual e a mostrou separada em duas partes, sem os braços, e D’Urville disse que os braços estavam separados do corpo, embora claramente fizessem parte do conjunto.


Uma versão da história derivada do relato de Marcellus diz que o padre teria sido intimado a devolver a relíquia, mas, recusando-se a fazê-lo, os franceses teriam recorrido ao uso da força, acabando por quebrar-lhe os membros. Preocupados em sair logo dali, uma vez capturada a estátua, não teriam voltado atrás para recuperar os fragmentos perdidos.

A explicação mais provável diz que um grupo de marinheiros franceses, cujo navio estava atracado no porto de Milo, uniu-se a camponeses locais em busca de restos arqueológicos nas ruínas de uma civilização antiga. Enquanto os camponeses buscavam pedaços de mármore para usar na construção civil, os franceses procuravam algo com algum valor histórico. Foi então que um tal Yorgos, camponês local, desenterrou a estátua, separada em dois pedaços na altura da cintura, e já sem os braços. Um dos marinheiros, Olivier Voutier, percebeu que estava diante de algo excepcional e convenceu seu superior, o marquês de Rivière, a comprá-la. Depois de algumas idas e vindas, uma das esculturas mais famosas de todos os tempos foi negociada pelo valor de meia dúzia de cabras. A Vênus embarcou, aos pedaços, em direção a Paris e foi remontada pelos restauradores do Museu do Louvre, onde ela está até hoje.

As Três Graças

img_3009

As Três Graças mostram as Deusas da fertilidade, do encantamento, da beleza e da amizade. Sempre foram associadas a Afrodite, Deusa do Amor. As Graças são representadas em várias obras de arte europeia. Pinturas e esculturas. Esse conjunto do Museu do Louvre foi esculpido por Cordier (1565-1612).

Tumba de Philippe Pot 

Na área dos escultores Franceses, chama a atenção a maravilhosa Tumba de Philippe Pot (um alto funcionário da Borgonha), com seus oito pranteadores encapuzados. O contraste de cores dos materiais utilizados engrandecem a escultura.



Código de Hamurabi

O Rei da Babilônia escreveu o primeiro código legal do mundo numa pedra chamada Estela. Abrigado na área antiguidades do Oriente Médio, este é o documento legal mais antigo do mundo. Na verdade, o código não retrata leis propriamente ditas, mas um catálogo de 282 decisões, sobre 11 temas diferentes, onde a pena varia de acordo com a posição social do condenado. No topo da pedra, há uma representação do rei da Babilônia rezando para o Deus Shamash, Deus da Justiça e do Sol.  

O código é baseado na antiga Lei de talião, “olho por olho, dente por dente”, alguns exemplos das leis contidas no Código de Hamurabi:

  • Se uma pessoa roubar a propriedade de um templo ou corte, ele será condenado à morte e também aquele que receber o produto do roubo deverá ser igualmente condenado à morte.
  • Se uma pessoa roubar o filho menor de outra, o ladrão deverá ser condenado à morte.
  • Se uma pessoa arrombar uma casa, deverá ser condenado à morte na parte da frente do local do arrombamento e ser enterrado.
  • Se um homem tomar uma mulher como esposa, mas não tiver relações com ela, esta mulher não será considerada esposa deste homem.

O apartamento de Napoleão Bonaparte



São uma demonstração do luxo e ostentação em que vivia Napoleão.



Joias da Coroa


  
Diana de Versalhes

A Diana de Versalhes é uma afamada estátua da deusa Diana preservada no Museu do Louvre, em Paris, França.

Realizada em mármore branco, com 2m de altura, a obra é uma cópia romana da era imperial de um original perdido, em bronze, atribuído ao escultor grego Leocarés, datado provavelmente de c. 325 a.C. Foi descoberta na Itália, mas a procedência exata não é conhecida. O Museu do Louvre sugere a localidade de Nemi, onde antigamente havia um santuário.

Outras belezas encontradas no Museu

  

  
  

  


        


 

Fotos feitas no Louvre durante a gravação do vídeo postado no inicio! 

  

  


Fotos que eu já fiz no Louvre em outros momentos 

  

  
  

  

  • Informações Praticas

 

  • Como ir: metrô linha n° 1, estação Palais Royal/Musée du Louvre e de ônibus n°s 21, 24, 27, 39, 48 e 68, descer em frente à pirâmide do Louvre.

Para escrever esse post eu fiz pesquisas na internet e contei essencialmente com as seguintes fontes: 

Espero que tenham gostado! 

Bisous , Au revoir!

2 comentários sobre “Museu do Louvre 🌟📚📖

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s