O Apartamento de Coco Chanel

Ola Pessoal, tudo bem?

Na semana passada falei sobre a vida de Coco Chanel, e hoje vou mostrar seu apartamento na Rue Cambon, nesse mesmo edifício ficavam seu ateliê, sua loja, sua moradia e seu escritório.

Fechado para o público, o lugar conserva relíquias que inspiraram seu trabalho e revelam uma história de luxo, perdas e amores, então, vem comigo!

Gabrielle não morava nesse apartamento, por isso não há camas, a estilista fez da suíte do hotel Ritz seu dormitório, para que tivesse cuidados quando precisasse.

O apartamento da Cambon era para trabalhar e também receber os amigos mais próximos. Passavam por lá gente como o pintor Pablo Picasso e o poeta Jean Cocteau.

Dentro dos quatro cômodos do segundo andar do número 31 da rua Cambon, em Paris, tudo está como sua dona deixou antes de morrer a poucas quadras dali, em uma suíte do hotel Ritz.

Para se chegar ao segundo andar do edifício é preciso subir dois lances de escadas com paredes espelhadas. Desses degraus a estilista assistia escondida, sentada e fumando, às reações do público nos desfiles da marca.

No hall já é possível identificar a fascinação de Chanel pela Ásia que, apesar de nunca ter influenciado sua moda, foi uma das lembranças mais fortes deixadas por “Boy”, o grande amor de sua vida, que tinha adoração por culturas orientais, especialmente a chinesa.

O sofá dos anos 1920 é o único lugar onde é possível sentar ou deitar. A estrutura de ferro e madeira é coberta com um veludo bege trabalhado em matelassê. As almofadas têm o mesmo formato da primeira bolsa criada pela estilista. A 2.55, como batizou o acessório, também é produzida com a técnica do forro do sofá.

Atrás, apoiada numa estante de livros, um desenho nada surrealista dado de presente a Chanel pelo amigo e, ironicamente, pai do surrealismo, o pintor catalão Salvador Dalí.

O ramo de trigo desenhado por ele remete à veia supersticiosa. Trigo, para alguns asiáticos, significa prosperidade, e a estilista tratou de espalhá-lo pelo local.

Ele está em esculturas e nas bases de duas mesas ao lado de sua escrivaninha.

Na mesa de trabalho vê-se um jogo de tarô. Uma cartomante tirava ali, diariamente, a sorte da cliente famosa. Uma bola de cristal posicionada na mesa de centro é outro objeto que revela sua personalidade mística.

A esfera de quartzo âmbar foi dada por Hugh Grosvenor, duque de Westminster, outro amante. Como não havia outra igual, a designer mandou produzir uma réplica de resina barata para satisfazer sua obsessão por duplas.

Quase tudo no apartamento é colocado em pares. Há vários duetos de animais idênticos dispostos pelo ambiente.

O que mais aparece é o leão, signo astrológico da estilista, com versões posicionadas em mesas, aparadores e estantes. Entre as imagens também há sapos, símbolos de sorte, macacos, representantes da sabedoria e budas.

Em sua biblioteca particular, livros de William Shakespeare e Platão dividem espaço com enciclopédias e compêndios sobre religiões orientais.

No teto, um dos objetos mais marcantes da sala. Um lustre todo de quartzo e ametista construído com uma estrutura de ferro que forma vários numerais “5”, outra mania da estilista -não por acaso, nome de seu perfume mais famoso.

O objeto tem também suas flores preferidas, camélias, e os “Cs” entrelaçados que identificam sua grife.

Há réplicas de santos e imagens africanas, que sinalizam o estilo “hi-low” propagado por ela, que além de libertar as mulheres do corselete, instituiu o uso de joias verdadeiras misturadas a bijuterias. E usou a arquitetura em joias, inclusive em um par de espelhos da sala.

O formato das peças, octogonal como a famosa Place Vendôme, foi usado no primeiro relógio da marca, em 1987. O espelho na sala de saída do apartamento, anexa à de jantar, também é octogonal e serviu de base para o formato da tampa do perfume Nº 5.

A mesa das refeições só comporta oito pessoas porque Coco não gostava de falar alto e queria sempre olhar para os convidados. Quatro conchas douradas sobre a mesa serviam de cinzeiro e de prato para cravos, especiaria que tirava da boca o gosto dos cigarros.

Nas paredes da sala de jantar, cobertas com um tecido amarelado cujo objetivo era esconder maçanetas e fechos, está concretizada a dificuldade da estilista em deixar pessoas próximas partirem. A ideia era que ninguém pensasse em ir embora. A estilista parecia buscar na casa seu nome do meio: “Bonheur”, em francês, significa felicidade.

Sem duvida o apartamento segue um estilo bem eclético né!

Espero que tenham gostado do passeio!

Beijos 😘

Vanessa 🌻

Fontes: site folha uol

Um comentário sobre “O Apartamento de Coco Chanel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s